Categoria: Qualidade de vida (page 1 of 6)

Fanático ou uma vida com propósito?

O mundo de hoje está em um frenesi total, muitos andam sem saber o seu real sentido de direção, constantemente nos deparamos com notícias de assassinatos e suicídio por se perder o valor da vida humana e a autovalorização. Ter um propósito na vida é extremamente essencial para encontra dentro de si razão para viver. Nós não nascemos somente para trabalhar e pagar contas, fomos formados para um propósito maior, que talvez nem o conheçamos, esse propósito se dá deste o ventre materno e nos persegue por toda uma vida. Alguns encontram seu propósito, outros vivem a vida toda somente para encontra-lo nos seus últimos dias de existência e há aqueles que nunca entenderão o porquê estiveram neste mundo. Os que entendem seu propósito persegue de forma determinada e constante, se esforçam ao máximo, entendem que haverá obstáculos e pessoas em seu caminho que irão apoiar e outras vão o desestimular, talvez porque não estejam olhando através de sua ótica. Outros dirão que você é fanático.

A etiologia da palavra “Fanático” veio do Latim FANATICUS, “louco, entusiasta, inspirado por algum deus”, originalmente “relativo a um templo”, FANUM. O fanático, parece que também tem um objetivo a ser seguido, são insistentes e persistentes, mas são insanos. Insano também do latim “insanus”, louco, demente, torturadores, extravagante, excessivo, que não está no domínio de suas faculdades mentais, ou seja, um transtorno que acometem aqueles que não ouvem, são imutáveis em seus objetivos, pode até agredir de forma física ou verbal outros.

A filosofia coloca o fanatismo dividido em três grandes classes: Política, Esporte e Religião. Se você parar e pensar verá que para cada uma dessas classes você terá um modelo do “ser fanático”. Porém, a palavra Propósito está ligada a um objetivo respeitando o limite de cada indivíduo para atingir sua meta. Há uma linha muito tênue entre “ser fanático” e “ter uma vida com propósito”, porque ambas as formas existem um objetivo a ser alcançado. Então como diferenciar esses dois tipos de pessoas? Penso e acredito que seja necessário olhar as ações ao redor das pessoas das seguintes formas:

1.º Poder do ouvir

Ouvir é uma arte que deve ser praticada por todos, há provérbios que diz: “ ouve, e torna-te sábio e dirige teu coração pelo caminho” “existe mais sabedoria no ouvir do que no mundo de falácia”, outro provérbio diz: “a língua pode ser uma espada mortal”. Ouvir atentamente o outro abrindo o coração e a mente pode fazer a diferença entre uma pessoa de vida com propósito e o fanático.

2.º Liberdade de auto expressão

A liberdade de auto expressão deve ser praticada e notada pelos que estão ao redor do indivíduo, mas se a auto expressão levar a danos físicos, mentais e morais, fugindo da ética da vida, está auto expressão esta prejudicada e compromete a linha entre propósito e fanatismo.

3.º Discernimento

O discernir entre o certo e o errado vai depender da sociedade onde o indivíduo está inserido, seus valores éticos e morais. Importante entender esta inserção, pois, é dali que surge o ponto de partida para o mundo entre o ser humano e a sociedade.

Finalizo aqui pensando, será que vivemos defendendo uma causa fanática e trazendo danos as pessoas? Ou nós vivemos uma vida com propósito para impactar positivamente a própria vida e os que estão ao redor? Ouça e tenha liberdade de auto expressão com discernimento, você decide em ser um fanático ou ter uma vida com propósito.

Artigo publicado na Revista Prana e WebLog Logística Avançada em setembro de 2019.

Confusão sobre a linhagem do Reiki; Conhecimento superficial sobre as técnicas originais e as ferramentas do Reiki. Na minha trajetória como terapeuta em Reiki e o período que morei e estudei no Japão percebo que estes são alguns dos desafios que ocorrem com frequência no campo da Terapia Reiki.

Leia mais…

Porque devemos redobrar a atenção com a galera do nem-nem

Segundo dados do ipea-Brasil, 23% dos jovens brasileiros, ou seja, dois em cada 10 jovens não trabalham e nem estudam, é um dado aparentemente sob controle porque por enquanto a população economicamente ativa é maior que a população dependente, formada pelas crianças e idosos, no entanto, a médio prazo, esse quadro pode comprometer a economia do país, porque  essa geração que hoje está no ápice da idade (im)produtiva, pode entrar para as estatísticas dos dependentes e, embora não seja nenhuma afirmativa, bem longe disso, é uma possibilidade que deve ser considerada já que todos os dias coisas nos acontecem.

No estado do Pará, esses números se agravam, segundo pesquisa realizada por amostra de domicílios do IBGE, quase 57% dos jovens de 15 e 29 anos de idade não estavam estudando e nem trabalhando no ano de 2018, um incremento de 33,1% em apenas dois anos, se considerarmos que em 2016 eram 23,7% da galera nem-nem. Muitos desses jovens geralmente não estudam porque não têm emprego e não trabalham, por sua vez, justamente porque não têm a devida qualificação, criando assim, um círculo vicioso.

Importante compreender que eles não necessariamente são desocupados, muitos trabalham no mercado informal porque precisam sustentar a casa, com flexibilidade de horário para cuidar dos filhos ou dos idosos e assim, vivem com um orçamento apertado e com dificuldades de se qualificar. No entanto, os que mais preocupam mesmo, são aqueles que não querem nada com nada, os nem-nem-nem!

Essa é uma questão que requer um olhar mais atento das três pontas: O setor público, o privado e da vontade e iniciativa dos próprios jovens. No caso das políticas públicas, é importante considerar alguns aspectos, como:

– Oferecer uma educação de qualidade eliminando esse abismo existente entre o conteúdo acadêmico e a realidade;

– Transporte público subsidiado para pessoas de baixa renda;

– Promover esforços para reduzir os índices de gravidez na adolescência, que segundo a OMS, está acima da média latino-americana com 68,4 partos para cada mil meninas com idades entre 15 e 19 anos;

– Construir novas creches para atender essa demanda;

– Políticas de saúde pública para tratar: saúde mental, traumas e depressão;

– Criar uma disciplina que eduque os jovens para viver essa transição da escola para o mercado.

– Disponibilizar treinamento de qualificação que vise desenvolver, orientar e informar os jovens sobre trabalho e carreira;

O setor privado pode contribuir aderindo aos programas de jovem aprendiz e auxiliando-os no desenvolvimento de habilidades socioemocionais, que envolvem: a autoconfiança, a liderança e o trabalho em equipe.

Quanto aos jovens:

– Ter maior consciência de seu papel social e das suas potencialidades e talentos;

– Procurar desenvolver cada vez mais conhecimento sobre o mercado;

– Escrever em local visível para JAMAIS ESQUECER seus sonhos, metas, aspirações, expectativas e propósitos (muitos desconsideram a necessidade de estudar por não saber que a possibilidade de incremento da sua remuneração aumenta na proporção do seu nível de escolaridade e, claro, da sua qualificação profissional); e

– Desenvolver as suas habilidades cognitivas, aquelas usadas ​​para aprender, compreender e integrar as informações de maneira significativa, ou seja, quando a informação é, de fato, entendida e assimilada, não apenas memorizada. No mundo do trabalho normalmente são empregadas para resolver problemas e aprender novas habilidades e informações.

Você, deseja desenvolver habilidades comportamentais para aprimorar a gestão e mobilizar sua equipe para o alcance de metas?A Cia Brasileira de Coaching está com uma nova turma para o workshop de Liderança e autogestão a ser realizado no período de27 a 28/08/2019, das 8h às 18h em Belém. Obtenha maiores informações através do nosso whatsapp (11) 99546 8145.

Caixa de texto: Nelson Vieira, é Presidente e Master CoachTrainer da Cia. Brasileira de Coaching Certified Advanced Master Coach Sênior pela Graduate School of Master Coaches (EUA/UK/Austrália)
www.cibracoaching.com.br

Gostou do tema? Tem alguma dúvida ou quer  que eu escreva sobre algum assunto em especial? Envie sua opinião para o whatsapp (011) 995468145 ou mande um e-mail para nelsonvieira@cibracoaching.com.br  você poderá fazer parte do nossa próxima edição.

Como superar a autossabotagem e as doenças corrigindo a REVERSÃO PSICOLÓGICA

Autossabotagem, procrastinação, crenças limitantes e baixa autoestima são barreiras para toda e qualquer realização pessoal. Até mesmo doenças físicas se tornam mais resistentes à cura quando a pessoa está nesse estado. Todos esses conceitos se resumem a um único fenômeno descoberto na década de oitenta pelo psicólogo clínico Roger Callahan (1925/2013), criador e desenvolvedor da TFT (Thought Field Therapy) ou Terapia do Campo do Pensamento.

Leia mais…

Lidando com a perda e a frustração de forma inteligente

Reconhecer as nossas emoções básicas e aprender a lidar de maneira inteligente com cada uma delas, evitando as emoções negativas é um grande desafio, e, acredite, isso em algum momento irá salvar a sua vida. Então, compreenda que todos temos emoções básicas, que nos acompanham desde a concepção, outras são socialmente aprendidas e outras descobertas através das nossas experiências cotidianas.

As emoções básicas que nascem com a gente desde a fecundação, são: A alegria, a tristeza, a raiva, o medo e o afeto, normalmente, pergunto em algumas palestras: “Qual delas é a melhor de experimentar“, e normalmente a resposta vem carregada de convicção por 99,9% dos presentes de norte a sul do Brasil: “- A alegria!”. Pois é, é o que todos queremos, mas o que seria da nossa vida se tudo fosse só alegria? Você já parou para pensar nisso? Certamente as pessoas não se importariam tanto com as outras, seriam muito mais egoístas, egocêntricas e segregarias. Perceba que uma pessoa “muito alegre”, pode, em algum momento, passar do ponto e tornar-se inconveniente com risos e piadas fora de hora, eu mesmo não escapo, algumas das minhas piores apresentações, eu estava tomado de súbita alegria. Portanto, ela é boa sim, mas devemos dosar e compreender a importância das demais.

Uma segunda pergunta que eu normalmente faço: “Dessas, quais são as piores emoções para se sentir?” E novamente, lá vem as respostas repletas de convicção: A raiva e a tristeza!

Pois bem, vamos analisar a função de cada uma delas: Você consegue imaginar um atleta olímpico ou um time de futebol entrando em campo sem um pouquinho sequer de raiva? Provavelmente vai aceitar as investidas do oponente, se acomodar e ganhar ou perder passa a ser uma mera consequência do acaso, certo? Portanto, a energia da raiva, quando adequadamente canalizada pode construir prodígios, por que o leva a se superar e construir coisas incríveis para si e para os demais, pois ela se converte em gana, força de vontade, foco, raça, disposição de vencer.  

A tristeza, ninguém gosta de sentir, mas é ela a emoção que mais lhe  aproxima da nobre condição de Ser Humano, pois a frustração o obriga a aprender a lidar com a perda e com o sofrimento de forma equilibrada e o torna mais sensível em relação a humanidade dando um sentido maior a vida, pois só quem passa por dificuldades, não importa quais sejam, físicas, materiais, financeiras ou emocionais, o tornam mais atento aos demais podendo contribuir para um mundo melhor, com mais respeito, tolerância e aceitação incondicional.

Pessoas que nunca experimentaram sentimentos de perda ou frustração não conseguem lidar com isso de forma madura e acabam agindo impulsivamente podendo comprometer toda a sua vida e a de outras pessoas. Ah, então você está duvidando? Certo, veja aí nos noticiários dos últimos dias quantos casos de feminicídio têm ocorrido e suas causas: Quase todos porque o “cara” não aceitava o fim do relacionamento! Isso é maturidade?

Se ele tivesse “curtido” mais uma fossa na infância, aprendesse a lidar melhor com as perdas, aí entra um pouco da responsabilidade dos pais que, para não ver o pimpolho tristinho, dá tudo o que ele quer e não apenas o que ele precisa, então fica aqui o meu apelo: Senhores pais, pelo amor de Deus, permitam que seus filhos experimentem sentimentos de perda e frustração pelo bem da humanidade! Entendam que frustração não mata, a falta dela sim! Ela é boa, saudável e, inclusive recomendável, segundo grandes educadores como: Vygotsky, Jean Piaget e Paulo Freire. Se tristeza fosse realmente ruim, não haveria tantos poetas, escritores, compositores criando obras belíssimas que tanto apreciamos hoje em dia e, ganhando milhões com direitos autorais.  

Aprenda a explorar os sentimentos de tristeza e raiva para obter melhores resultados e ser muito mais realizado e feliz. Participe do nosso workshop de Inteligência Emocional no dia 29/06/2019 (sábado), das 8h às 18h em Belém. Obtenha maiores informações através do nosso whatsapp (11) 99546 8145.

Caixa de texto: Nelson Vieira, é Presidente e Master Coach Trainer da Cia. Brasileira de Coaching Certified Advanced Master Coach Sênior pela Graduate School of Master Coaches (EUA/UK/Austrália)
www.cibracoaching.com.br

Gostou do tema? Tem alguma dúvida ou quer  que eu escreva sobre algum assunto em especial? Envie sua opinião para o whatsapp (011) 99546 8145 ou mande um e-mail para nelsonvieira@cibracoaching.com.br  você poderá fazer parte do nossa próxima edição.

5 Razões para aprender a gerenciar as próprias emoções

Muita gente ainda não compreendeu o real sentido pelo qual deveriam, no mínimo, entender as próprias emoções para poder gerenciá-las de maneira apropriada a cada circunstância. Não falo nem em se tornar um “Buda”, ou ter “sangue de barata” em determinadas situações, mas pelo menos agir de forma mais consciente, adequada e madura é o mínimo para blindar a sua integridade física, emocional, além da sua carreira e, óbvio, proteger tudo aquilo o que você mais ama: A sua família!

Portanto, compartilho com você alguns motivos pelos quais todo mundo deveria fazer um encontro de inteligência emocional:

  1. Autoconhecimento: Sei que já me referi a esse aspecto em vários artigos que escrevi anteriormente, mas nunca é demais lembrar que, você se torna “Senhor(a)” das suas emoções à medida em que você se conhece, pois somente dessa maneira tem maior propriedade para lidar de forma mais racional e, claro, inteligente, com suas reações a determinados estímulos do ambiente.
  2. Gerenciamento das emoções: De um modo geral, me arrisco a dizer que todos querem obter melhores resultados em todos os aspectos da vida, atualmente, vejo muitos jovens dessa chamada geração “Nutella”, perdendo o controle e cometendo verdadeiras atrocidades simplesmente porque não aprenderam a lidar adequadamente com suas frustrações, com isso têm grandes dificuldades em assumirem as responsabilidades pelo que ocorre em consequência de suas atitudes (ou pela falta delas). Desse modo, se vê jovens profissionais desajustados apresentando comportamento profissional negligente ou mesmo, violento (Como se tem visto ultimamente em muitas escolas) e querendo, a todo custo, obter melhores resultados na vida pessoal e profissional, depois não entende o porquê das coisas parecerem funcionar bem para todo mundo menos para si.
  3. Aprender a lidar com as incertezas, com o medo e com a insegurança é um outro aspecto importante quando se aprende a lidar com os sentimentos de forma mais sensata, uma vez que encarar a incerteza é como entrar em um ambiente desconhecido, totalmente no escuro, no qual as pessoas vão tateando, em passos curtos e, como não poderia deixar de ser, com uma enorme descarga de adrenalina, elevando os batimentos cardíacos à quinta potência, por não saber o que poderá encontrar a qualquer instante. Essa é uma defesa do organismo que assegura a nossa sobrevivência em situações de perigo iminente. Nunca é demais lembrar que, adrenalina em pequenas doses é saudável e até desejável, o risco é quando passa a ser constante gerando um nível de stress dando a sensação de estar carregando uma ogiva prestes a explodir colocando em risco as nossas relações profissionais, sociais e familiares.
  4. Reconhecer o seu conjunto de crenças que foram sendo desenvolvidas ao longo de toda a sua existência. Essas crenças podem ser limitantes ou potencializadoras dependendo da forma e como lida com elas nos diferentes cenários aos quais estamos expostos. O fato é que, quando as reconhecemos, temos maior possibilidade de mantê-las sob controle focando em nossas potencialidades e minimizando as crenças limitantes, do tipo: eu não posso, eu não consigo, eu não sou capaz.
  5. Compreender e lidar melhor com a ansiedade, que como se sabe, não tem cura, portanto, dependendo do nível de gravidade, aprendemos a lidar com ela de maneira apropriada estabelecendo maior autocontrole e agindo de forma mais eficaz elevando o seu nível de autoconfiança.

Você quer se dar bem no trabalho? Deseja ser promovido, ganhar o respeito e a confiança das pessoas? Blindar a sua família? Garantir maior estabilidade profissional e financeira? Então esse workshop é para você.  A Cia Brasileira de Coaching está com um novo workshop de Inteligência Emocional no dia 29/06/2019 (sábado), das 8h às 18h em Belém. Obtenha maiores informações através do nosso whatsapp (11) 99546 8145.

Caixa de texto: Nelson Vieira, é Presidente e Master Coach Trainer da Cia. Brasileira de Coaching Certified Advanced Master Coach Sênior pela Graduate School of Master Coaches (EUA/UK/Austrália)
www.cibracoaching.com.br

Gostou do tema? Tem alguma dúvida ou quer  que eu escreva sobre algum assunto em especial? Envie sua opinião para o whatsapp (011) 99546 8145 ou mande um e-mail para nelsonvieira@cibracoaching.com.br  você poderá fazer parte do nossa próxima edição.

A importância da inteligência emocional no trabalho

“Eu estava prestes a ser promovida, agora estou correndo o risco de ser demitida, tudo por causa  de um assédio moral que sofri no ambiente de trabalho, registrei o caso no RH da Empresa, na visão do meu diretor, eu deveria ter jogo de cintura, mas eu sinto que não tenho inteligência emocional suficiente para lidar com situações adversas, muito menos quando são deveras abusivas, mas sei que preciso ter sangue frio e aprender a lidar com essas situações pelo meu bem, dos meus filhos e da minha família, cansei de perder para mim mesma”.

Leia mais…

Palco e bastidor

Muitas pessoas parametrizam seus desejos e anseios com base na vida do outro. No meu último post eu disse que a régua do sucesso é individual, afinal, a definição de sucesso é subjetiva e, portanto, cabe somente ao indivíduo saber se atingiu o seu sucesso.

Leia mais…

A régua do sucesso deve estar em suas mãos, e na de mais ninguém!

Muitas vezes as pessoas deixam de aproveitar um êxito ou fazer o que de fato desejam, por acreditar que se não estão como seus pares, estão errados, não estão fazendo o que é certo.

Leia mais…

A primeira semana do ano já foi. E você, tá esperando o quê?

O ano mal começou e já tem muita gente surtando por aí com ansiedade por conta dos desafios, por que o tempo está passando, e, para alguns resta pouco, para outros, tem todo o tempo do mundo e portanto nem esquentam. Alguns sentem-se paralisados, sem saber exatamente o que fazer, por onde começar ou para onde correr. Ufa! Todos esses relatos obtive de conversas durante esses primeiros dias do ano novo a partir de uma mesma pergunta: do que você tem medo?

Leia mais…

« Older posts

© 2019 Literare Books

Theme by Anders NorenUp ↑