Categoria: Psicologia (page 1 of 3)

Fanático ou uma vida com propósito?

O mundo de hoje está em um frenesi total, muitos andam sem saber o seu real sentido de direção, constantemente nos deparamos com notícias de assassinatos e suicídio por se perder o valor da vida humana e a autovalorização. Ter um propósito na vida é extremamente essencial para encontra dentro de si razão para viver. Nós não nascemos somente para trabalhar e pagar contas, fomos formados para um propósito maior, que talvez nem o conheçamos, esse propósito se dá deste o ventre materno e nos persegue por toda uma vida. Alguns encontram seu propósito, outros vivem a vida toda somente para encontra-lo nos seus últimos dias de existência e há aqueles que nunca entenderão o porquê estiveram neste mundo. Os que entendem seu propósito persegue de forma determinada e constante, se esforçam ao máximo, entendem que haverá obstáculos e pessoas em seu caminho que irão apoiar e outras vão o desestimular, talvez porque não estejam olhando através de sua ótica. Outros dirão que você é fanático.

A etiologia da palavra “Fanático” veio do Latim FANATICUS, “louco, entusiasta, inspirado por algum deus”, originalmente “relativo a um templo”, FANUM. O fanático, parece que também tem um objetivo a ser seguido, são insistentes e persistentes, mas são insanos. Insano também do latim “insanus”, louco, demente, torturadores, extravagante, excessivo, que não está no domínio de suas faculdades mentais, ou seja, um transtorno que acometem aqueles que não ouvem, são imutáveis em seus objetivos, pode até agredir de forma física ou verbal outros.

A filosofia coloca o fanatismo dividido em três grandes classes: Política, Esporte e Religião. Se você parar e pensar verá que para cada uma dessas classes você terá um modelo do “ser fanático”. Porém, a palavra Propósito está ligada a um objetivo respeitando o limite de cada indivíduo para atingir sua meta. Há uma linha muito tênue entre “ser fanático” e “ter uma vida com propósito”, porque ambas as formas existem um objetivo a ser alcançado. Então como diferenciar esses dois tipos de pessoas? Penso e acredito que seja necessário olhar as ações ao redor das pessoas das seguintes formas:

1.º Poder do ouvir

Ouvir é uma arte que deve ser praticada por todos, há provérbios que diz: “ ouve, e torna-te sábio e dirige teu coração pelo caminho” “existe mais sabedoria no ouvir do que no mundo de falácia”, outro provérbio diz: “a língua pode ser uma espada mortal”. Ouvir atentamente o outro abrindo o coração e a mente pode fazer a diferença entre uma pessoa de vida com propósito e o fanático.

2.º Liberdade de auto expressão

A liberdade de auto expressão deve ser praticada e notada pelos que estão ao redor do indivíduo, mas se a auto expressão levar a danos físicos, mentais e morais, fugindo da ética da vida, está auto expressão esta prejudicada e compromete a linha entre propósito e fanatismo.

3.º Discernimento

O discernir entre o certo e o errado vai depender da sociedade onde o indivíduo está inserido, seus valores éticos e morais. Importante entender esta inserção, pois, é dali que surge o ponto de partida para o mundo entre o ser humano e a sociedade.

Finalizo aqui pensando, será que vivemos defendendo uma causa fanática e trazendo danos as pessoas? Ou nós vivemos uma vida com propósito para impactar positivamente a própria vida e os que estão ao redor? Ouça e tenha liberdade de auto expressão com discernimento, você decide em ser um fanático ou ter uma vida com propósito.

Velocidade: a verdadeira vilã das decisões conscientes

Entenda o porquê de nem sempre fazermos as melhores escolhas.

Um dos livros mais interessantes sobre como nossa mente funciona é o citadíssimo “Rápido e Devagar, duas formas de pensar” de Daniel Kahneman. O autor nos apresenta conceitos muito esclarecedores sobre nossa mente, e que eu associo a outros estudos para entender melhor como penso, como posso tomar decisões mais assertivas.

Leia mais…

Comportamento: como identificar e tirar resultados na sua organização.

No decorrer dos séculos se tem discutido sobre o comportamento humano e suas atitudes, principalmente em situações de estresse. Desde os Gregos que acreditavam que os comportamentos estavam relacionados aos elementos da natureza (água, ar, fogo e terra), passando por diversos filósofos, pensadores e estudiosos do comportamento do ser humano.

Leia mais…

Como superar a autossabotagem e as doenças corrigindo a REVERSÃO PSICOLÓGICA

Autossabotagem, procrastinação, crenças limitantes e baixa autoestima são barreiras para toda e qualquer realização pessoal. Até mesmo doenças físicas se tornam mais resistentes à cura quando a pessoa está nesse estado. Todos esses conceitos se resumem a um único fenômeno descoberto na década de oitenta pelo psicólogo clínico Roger Callahan (1925/2013), criador e desenvolvedor da TFT (Thought Field Therapy) ou Terapia do Campo do Pensamento.

Leia mais…

O uso da criatividade e da inovação na comunicação

Por: Sergio Bialski

Ao longo dos mais de vinte anos de minha carreira como Gestor de Comunicação em grandes empresas, e dos dez anos como professor universitário, pude perceber um traço comum, tanto entre meus colegas de trabalho como entre meus alunos, que é a valorização da criatividade e da inovação como elementos essenciais para o sucesso.

Leia mais…

O mercado de psicoterapia mudou. É a bola da vez! Prepare-se!

Nossa leitora Betânia Tavares, da cidade de Belo Horizonte, pós-graduanda em arteterapia e psicologia analítica junguiana, me fez os seguintes questionamentos acerca de uma questão levantada em sala de aula. Foi quase uma entrevista, a qual compartilho aqui na íntegra:

Leia mais…

A escolha de uma profissão: para onde ir?

Será mesmo a escolha profissional o momento mais importante na vida de um jovem? Será a escolha de uma profissão a escolha mais importante que um indivíduo faz em sua vida?

Leia mais…

Você possui as coisas ou elas te possuem?

Precisamos perceber a diferença em ter coisas para si ou permitir que coisas nos tenham.

Quando adquirimos algo, tomamos posse do que foi adquirido, guardamos onde queremos, atribuímos-lhe um nome, temos a decisão de emprestar o bem adquirido ou não. Quem é dono de algo pode até mesmo escolher em dar sua propriedade a alguém. Ou seja, quem possui algo tem a total liberdade de manipulação da sua posse, usando-a como e quando quiser. O dono é um ser autônomo e livre.

Leia mais…

Visão ampliada: os olhos do coração

Já disseram que os olhos são a janela da alma.

O olhar diz muito sobre o estado emocional das pessoas, diz respeito ao modo profundo ou raso que cada ser ver o mundo a sua volta.

Mas hoje quero lhe convidar a desenvolver uma VISÃO AMPLIADA para com o outro, é um convite à transcendência dos olhos físicos para os OLHOS DO CORAÇÃO.

Leia mais…

Razão x Emoção: Como elas dialogam?

Certamente temos infinitos exemplos de situações em que nos deparamos com a conflitiva “mente racional” X “mente emocional”. Quantas vezes já tomamos decisões que nos afastam do que realmente queremos da vida? Quantas pessoas hoje vivem absolutamente distantes do que realmente desejam na carreira e nas relações.

Leia mais…

« Older posts

© 2019 Literare Books

Theme by Anders NorenUp ↑