Categoria: Carreira (page 1 of 7)

Fanático ou uma vida com propósito?

O mundo de hoje está em um frenesi total, muitos andam sem saber o seu real sentido de direção, constantemente nos deparamos com notícias de assassinatos e suicídio por se perder o valor da vida humana e a autovalorização. Ter um propósito na vida é extremamente essencial para encontra dentro de si razão para viver. Nós não nascemos somente para trabalhar e pagar contas, fomos formados para um propósito maior, que talvez nem o conheçamos, esse propósito se dá deste o ventre materno e nos persegue por toda uma vida. Alguns encontram seu propósito, outros vivem a vida toda somente para encontra-lo nos seus últimos dias de existência e há aqueles que nunca entenderão o porquê estiveram neste mundo. Os que entendem seu propósito persegue de forma determinada e constante, se esforçam ao máximo, entendem que haverá obstáculos e pessoas em seu caminho que irão apoiar e outras vão o desestimular, talvez porque não estejam olhando através de sua ótica. Outros dirão que você é fanático.

A etiologia da palavra “Fanático” veio do Latim FANATICUS, “louco, entusiasta, inspirado por algum deus”, originalmente “relativo a um templo”, FANUM. O fanático, parece que também tem um objetivo a ser seguido, são insistentes e persistentes, mas são insanos. Insano também do latim “insanus”, louco, demente, torturadores, extravagante, excessivo, que não está no domínio de suas faculdades mentais, ou seja, um transtorno que acometem aqueles que não ouvem, são imutáveis em seus objetivos, pode até agredir de forma física ou verbal outros.

A filosofia coloca o fanatismo dividido em três grandes classes: Política, Esporte e Religião. Se você parar e pensar verá que para cada uma dessas classes você terá um modelo do “ser fanático”. Porém, a palavra Propósito está ligada a um objetivo respeitando o limite de cada indivíduo para atingir sua meta. Há uma linha muito tênue entre “ser fanático” e “ter uma vida com propósito”, porque ambas as formas existem um objetivo a ser alcançado. Então como diferenciar esses dois tipos de pessoas? Penso e acredito que seja necessário olhar as ações ao redor das pessoas das seguintes formas:

1.º Poder do ouvir

Ouvir é uma arte que deve ser praticada por todos, há provérbios que diz: “ ouve, e torna-te sábio e dirige teu coração pelo caminho” “existe mais sabedoria no ouvir do que no mundo de falácia”, outro provérbio diz: “a língua pode ser uma espada mortal”. Ouvir atentamente o outro abrindo o coração e a mente pode fazer a diferença entre uma pessoa de vida com propósito e o fanático.

2.º Liberdade de auto expressão

A liberdade de auto expressão deve ser praticada e notada pelos que estão ao redor do indivíduo, mas se a auto expressão levar a danos físicos, mentais e morais, fugindo da ética da vida, está auto expressão esta prejudicada e compromete a linha entre propósito e fanatismo.

3.º Discernimento

O discernir entre o certo e o errado vai depender da sociedade onde o indivíduo está inserido, seus valores éticos e morais. Importante entender esta inserção, pois, é dali que surge o ponto de partida para o mundo entre o ser humano e a sociedade.

Finalizo aqui pensando, será que vivemos defendendo uma causa fanática e trazendo danos as pessoas? Ou nós vivemos uma vida com propósito para impactar positivamente a própria vida e os que estão ao redor? Ouça e tenha liberdade de auto expressão com discernimento, você decide em ser um fanático ou ter uma vida com propósito.

Velocidade: a verdadeira vilã das decisões conscientes

Entenda o porquê de nem sempre fazermos as melhores escolhas.

Um dos livros mais interessantes sobre como nossa mente funciona é o citadíssimo “Rápido e Devagar, duas formas de pensar” de Daniel Kahneman. O autor nos apresenta conceitos muito esclarecedores sobre nossa mente, e que eu associo a outros estudos para entender melhor como penso, como posso tomar decisões mais assertivas.

Leia mais…

Comportamento: como identificar e tirar resultados na sua organização.

No decorrer dos séculos se tem discutido sobre o comportamento humano e suas atitudes, principalmente em situações de estresse. Desde os Gregos que acreditavam que os comportamentos estavam relacionados aos elementos da natureza (água, ar, fogo e terra), passando por diversos filósofos, pensadores e estudiosos do comportamento do ser humano.

Leia mais…

Foco triplo: caminho para desenvolver a liderança


O foco triplo, idealizado por Daniel Goleman, considerado o pai da inteligência emocional, pode ser assumido como um caminho para o desenvolvimento dos líderes.

Segundo Goleman, a tarefa básica da liderança é conduzir a atenção dos seus liderados. E, para fazer isso, os líderes precisam concentrar sua própria atenção em três focos: interno, no outro e externo.

Leia mais…

Melhore a comunicação antes que ela coloque tudo a perder

É, parece que não, mas a comunicação exerce uma grande influência no comportamento das pessoas que impactam diretamente na performance individual. Parece simples, mas trata-se de um aspecto que requer um grande cuidado, pois dependendo da maneira como é recebida, pode elevar ou baixar a moral da equipe afetando significativamente os seus resultados.

Há alguns anos era muito comum ouvir um gerente usar uma linguagem e um mesmo tom de voz para todo mundo e esperar que o impacto dessa comunicação fosse um só para cada pessoa da equipe e ainda concluía dizendo: “…porque eu sou assim, quem quiser ficar que se adapte, do contrário a porta da rua é a serventia da casa”. Ou ainda: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, confesso que ainda cheguei a ouvir isso no início da minha carreira.

Tratar a equipe dessa forma, sem considerar o indivíduo, é como acreditar num comportamento-padrão, como se todos ali tivessem saído de uma linha de produção e hoje está mais do que claro que cada pessoa é única, indivisível e, portanto, reage diferente em relação aos diversos estímulos aos quais são impelidas. Daí a importância de prestar atenção não apenas nas palavras, mas nos gestos, tom de voz, expressão facial, postura e atitudes. Tudo conta!

Isso significa que algumas pessoas reagem muito bem à pressão e a palavras mais duras, outros, porém, podem se desestabilizar emocionalmente e ao invés de responderem adequadamente, podem até sabotar o projeto, comprometendo assim, os resultados. Desse modo, para todos os efeitos, comunique sempre com o foco no positivo, jamais no negativo, isso não quer dizer, que necessariamente você esteja disposto e feliz o tempo inteiro, mas é possível considerar aspectos a serem melhorados usando uma linguagem motivadora.

Por exemplo: ao invés de dizer “- nossa, esse setor está uma bagunça”, pode afirmar que a galera trabalha tanto que merece um lugar melhor. O que pode ser feito para ter um ambiente mais organizado?

Do mesmo modo, substitua a expressão “- deixe de ser preguiçoso” por “- eu confio em você para fazer isso até às 17h”. Evite afirmar “- Tá complicado”, mas pelo contrário, utilize: “Você pode! Já fez coisas mais difíceis antes”.

Troque o “Eu já te expliquei isso várias vezes” por “Deixa eu pensar em uma maneira melhor de te orientar sobre esse assunto”. Da mesma forma que algumas outras palavras e expressões devem ser evitadas, como:

* A palavra “não”, pois o cérebro não a reconhece como uma experiência podendo interpretar o contrário, desse modo, diga o que quer e não o que não quer.

*Substitua a conjunção adversativa “mas” pela uma conjunção aditiva “e”, já que tem a ideia de soma, adição, logo, é positiva, ao passo que o “mas”, diminui, elimina, subtrai tudo o que foi dito anteriormente podendo levar o indivíduo a distorcer todo o sentido da sua comunicação.

*Evite usar a palavra “tentar”, pois ela pressupõe a falta de empenho e dedicação para realizar algo. Não tente, FAÇA!

*Troque a palavra “se”, por “quando”, a primeira pressupõe uma condição necessária para fazer algo: “se eu conseguir …”, já a segunda nos remete a concretização, restando saber a data “quando eu conseguir …”, ou seja, a pessoa está trabalhando hoje para colher o resultado em um espaço de tempo.

* Exercite o cérebro para focar na certeza e não na dúvida, ou seja, ao invés de afirmar: “eu espero que…”, declare: “eu sei que vou aprender”, “eu consigo!”.

Quer melhorar a sua comunicação para extrair o melhor rendimento da sua equipe? Então venha com a gente desenvolver essas e outras habilidades de comunicação para aprimorar a gestão e mobilizar sua equipe para o alcance de metas. A Cia Brasileira de Coaching está com uma nova turma para o workshop de Liderança e autogestão a ser realizado no período de 27 a 28/08/2019, das 8h às 18h em Belém. Obtenha maiores informações através do nosso whatsapp (11) 99546 8145.

Caixa de texto: Nelson Vieira, é Presidente e Master Coach Trainer da Cia. Brasileira de Coaching Certified Advanced Master Coach Sênior pela Graduate School of Master Coaches (EUA/UK/Austrália)
www.cibracoaching.com.br

Gostou do tema? Tem alguma dúvida ou quer  que eu escreva sobre algum assunto em especial? Envie sua opinião para o whatsapp (011) 99546 8145 ou mande um e-mail para nelsonvieira@cibracoaching.com.br  você poderá fazer parte do nossa próxima edição.

Você tem visão de futuro?

Creio que todos nós paramos em algum momento para refletir sobre nossas jornadas. Sobre decisões que foram tomadas ao longo da vida e o porque muitas deram certo e outras não. O que aconteceu? Que fatores externos cooperaram para isso? Onde eu errei?

É lógico que muitos fatores externos compreendem como sendo parte do conjunto e, às vezes, modificam o caminho a ser percorrido. Portanto, a reflexão que quero fazer é: o que você fez para evitar as influências dos fatores externos na sua vida?

Acontece o imprevisto, ou melhor, há uma situação que não foi compreendida há tempo. Muitas vezes, cedemos à vontade de crer que existem fatores externos que fogem do nosso domínio. É mais fácil acreditar nisso como uma verdade do que entender que nossas ações diante as circunstâncias fazem toda a diferença.

A ação é um modo organizado e coeso de refletir, experimentar e principalmente de reagirmos em relação aos eventos ocorridos em nosso caminhar.

Existe uma série de ferramentas para nos ajudar na tomada de decisão, como por exemplo, as utilizadas pelo coach. Esse é um profissional que pode te amparar muito, pois ele vai te apoiar focando em um processo bem estruturado que guia as pessoas a alcançarem metas na vida pessoal e profissional.

O primeiro passo no caminho é ter visão de futuro, é saber onde desejamos ir.

Quando nossa visão é curta e refletimos exclusivamente no hoje, estamos inconscientemente “apertando o piloto automático” e deixando que as coisas sigam seu próprio rumo. Deixamos de comandar as nossas próprias vidas.

Visão de futuro são imagens mentais que nos guiam para agir e tornar nossos sonhos realidade e, é ela que nos dá direção, criando sentido à vida.
Quando somos imediatistas damos demasiada importância ao que está mais próximo no tempo, que vive literalmente o “carpe diem“, é, de certa forma, sermos insensatos, pois acabamos sofrendo de uma “miopia temporal”. Percebemos que o futuro chega e cobra seu preço pelo passado e sem planejamento prévio.

Por outro lado, existem aquelas pessoas que adiam tanto seu agora que vivem um enorme vazio, e desperdiçam as oportunidades com o excesso de atenção pelo amanhã. Desprezam toda e qualquer ação hoje e desenham em exagero o amanhã.

Quer um exemplo disso? Quando falamos que iniciaremos um novo projeto na próxima semana estamos inconscientemente nos privando de nossa visão de futuro – precisamos dispor de mais tempo, porque um projeto novo exige maior dedicação. Uma vez poupada à decisão de obter visão de futuro e de iniciar o novo projeto hoje, resolvemos então desfrutar de um prazer breve e imediato – exemplo: sair para um café com as amigas ou visitar um parente, fazendo com que a sensação de bem-estar – liberdade, faça uma poupança, ou seja, armazenamos os “juros” na forma de liberdade – ganhando mais tempo. Estamos adiantando o prazer imediato para pagarmos os juros lá na frente representados pelo excesso de trabalho.

Já quando nos privamos das horas livres e decidimos iniciar o novo projeto hoje, sem postergar nossa decisão e sendo fiéis a nossa visão de futuro – ser bem sucedido, realizado, reconhecido; percebemos que teremos um futuro proveitoso, garantido e em menor tempo. Privamo-nos no presente para colher o prazer – sucesso lá na frente.

Sendo assim, devemos pesar o prazer hoje ou o prazer no futuro? Essa decisão também depende da ação de cada pessoa.

Reflexão: 
Necessitamos buscar a satisfação imediata? 
Ter ou fazer hoje o que desejamos a qualquer preço?
Qual é o meu propósito? 
Onde quero chegar? 
Que herança quero deixar nesta vida? 

Sem abranger, aqui estamos nós igualmente sendo aventurados a tomar infinitas decisões todos os dias.

Acreditamos realmente que nós somos os únicos responsáveis pela realização do nosso futuro? Combatemos à vontade de inventar uma desculpa para nossos erros e fracassos? O que nos leva a tomar a decisão certa entre o agora ou o futuro? Eu digo que: sua visão de futuro, seu ideal é sua ação.

Agora é com você! Arregace as mangas e não deixe para amanhã, visualize o seu futuro e planeje sua vida com determinação. O que você quer e como pretende chegar lá. Seu futuro depende principalmente de você!

…………………

Sobre a autora:

Lane Lucena, psicanalista clínica, pós-graduada em comportamento organizacional e gestão de pessoas. Pós-graduanda em TEA – Transtorno do Espectro Autista. Especializações em psicopedagogia clínica e psicologia e saúde mental. Idealizadora do Viva Sua Essência e do Psiqueanalise.com. Pesquisadora da Escrita como recurso terapêutico e Facilitadora de Práticas de Atenção Plena. Criadora da Metodologia “Flor&Ser – florescendo a escrita expressiva” – um recurso que utiliza a escrita terapêutica.



Cuidado: Você pode estar assinando um atestado de incompetência e nem sabe

O diálogo abaixo travado entre um diretor e um gerente de departamento aconteceu há algum tempo, mas é incrível como o tempo passa, as relações mudam, novas gerações aparecem, mas o velho hábito continua bem presente nos dias atuais:

Diretor – G., por favor, oriente as pessoas do seu departamento a seguirem o fluxo de trabalho cumprindo os procedimentos e respeitando todos os itens do check list.

G. – Pow diretor, não tem como fazer isso, meu nível de operação é muito elevado. Já é demais conseguir que façam, apesar dos erros de operação, tudo acontece muito rápido, não dá tempo de ficar seguindo procedimento padrão.

O diretor então passa o mesmo comando para o gestor de outro departamento, que apesar do alto volume de informações, executa e, atende aos prazos especificados, bem como grande parte dos indicadores de performance, apresentando um bom índice de produtividade. Ao levar ao conhecimento do gerente G. os resultados do seu colega de empresa, o mesmo argumentava:

– Ah, no setor dele não tem tanta demanda como no meu;

– Lá o trabalho não é tão complexo quanto no meu;

– Ele tem mais pessoas pra executar a tarefa, eu estou com o meu quadro desfalcado, preciso contratar pelo menos mais umas três pessoas;

– Para ele é mais simples porque ele não faz nem um terço do que eu faço;

– Ele tem um aparato tecnológico melhor do que o meu.

Enfim, depois de ouvir toda a linha de argumentação do G., o diretor resolveu fazer um rodízio entre os mesmos por um período de tempo. Conclusão:

O departamento do G. passou a apresentar melhores resultados, respeitando os padrões, normas, check lists e atendendo a todos os indicadores ao passo que o outro ficou todo bagunçado, deixou de atender aos requisitos que antes atendia e a equipe se apresentava mais acomodada, desmotivada. O que houve? (sem comentários, não é mesmo?)

Pois bem, você se depara frequentemente com desculpas para justificar os maus resultados, seus ou de terceiros? É daquelas pessoas para as quais sempre está faltando algo para fazer o que precisa ser feito? Nenhum recurso é suficiente o bastante para atender a demanda que se apresenta?

Então abra o seu olho caro(a), o seu foco e atenção podem estar sendo desviados para outras questões e atividades menos importantes, e quando você pensa que com suas desculpas vai comover os seus superiores, o máximo que conseguirá é atrair a atenção dos mesmos para você (pessoa), não de forma positiva, claro! Raciocine: Como o outro consegue realizar no seu departamento e você não? E como se não bastasse, ainda vai bagunçar o que está funcionando bem no outro departamento? Parabéns, você acabou de assinar um atestado de incompetência!

Se você vive ou presencia alguma situação parecida com a do G., aceite uma dica: Procure programas de treinamento, um acompanhamento de coaching, uma mentoria, ou, pelo menos tenha a humildade para aprender o que você não sabe com o colega, entenda que é mais digno admitir que precisa se preparar melhor do que inventar mil desculpas para justificar o injustificável jogando todo o seu histórico (se é que realmente já teve um) no lixo.

Ah, e só para lembrar, entenda de uma vez por todas que empresa não é mãe e que sua carreira depende 100% de você, portanto, cabe somente a você cuidar bem dela procurando cursos para melhorar suas habilidades profissionais e desenvolvimento de liderança e autogestão (em todos os níveis da organização).  

Assuma o controle da sua carreira, vire o jogo, venha desenvolver habilidades comportamentais para aprimorar a gestão e mobilizar sua equipe para o alcance de metas. A Cia Brasileira de Coaching está com uma nova turma para o workshop de Liderança e autogestão a ser realizado no período de 27 a 28/08/2019, das 8h às 18h em Belém. Obtenha maiores informações através do nosso whatsapp (11) 99546 8145.

Caixa de texto: Nelson Vieira, é Presidente e Master Coach Trainer da Cia. Brasileira de Coaching Certified Advanced Master Coach Sênior pela Graduate School of Master Coaches (EUA/UK/Austrália)
www.cibracoaching.com.br

Gostou do tema? Tem alguma dúvida ou quer  que eu escreva sobre algum assunto em especial? Envie sua opinião para o whatsapp (011) 99546 8145 ou mande um e-mail para nelsonvieira@cibracoaching.com.br  você poderá fazer parte do nossa próxima edição.

Empregabilidade ou trabalhabilidade? Não importa, saiba como se manter no mercado

Empregabilidade e trabalhabilidade têm a mesma essência, é a capacidade do indivíduo se manter produtivo num mercado altamente competitivo, a questão é que enquanto a primeira trata do indivíduo em se manter formalmente empregável a segunda expressão diz respeito à capacidade de produzir o seu próprio sustento sem necessariamente precisar de um emprego, o que, é uma tendência cada vez mais presente no mercado, sobretudo no brasileiro, onde muitas pessoas desistiram de procurar um emprego formal, o chamado desalento, vindo assim, a desenvolver formas de sustento alternativos e com resultados surpreendentes. São cerca de 1,27 milhões de brasileiros qualificados que desistiram de procurar emprego formal, o correspondente a 35% de trabalhadores com maior formação segundo dados do IBGE em artigo publicado no site infomoney.

No entanto, neste mesmo cenário, seja nas funções mais simples até as mais complexas, pense em quantas pessoas estão se sentindo perdidas profissionalmente? Daí a importância do autoconhecimento, da autoliderança e autogestão, para compreender qual a contribuição que cada um pode proporcionar para as pessoas, para a comunidade, para o mundo através do seu trabalho.

Paradoxalmente, muita gente ainda alimenta uma falsa expectativa de uma alta remuneração por ter um diploma superior ou uma pós-graduação, gravíssimo engano “my friend”, não é por ter um curso superior ou uma pós que você merece ganhar mais, pelo contrário, é cada vez mais pelos resultados que você é capaz de entregar. Portanto, prepare-se! Como? Segue aí algumas sugestões:

  • Aprenda o máximo que puder enquanto estuda, elimine aquela doce frase do “quem não cola não sai da escola…” essa é a maior furada para não ter nem um emprego nem um trabalho na sua profissão. Portanto, se você é estudante e usa essa frase como uma máxima que norteia a sua vida acadêmica, vá aprendendo a varrer e a capinar, são atividades dignas também e um dia essas habilidades poderão ser necessárias.
  • Não seja um mero acumulador de certificados, mas faça constantemente cursos de aprimoramento que agreguem, de fato, valor à sua atividade profissional;
  • Entenda que currículo bonito não assegura uma carreira bem-sucedida, é aquela velha estória do “ah, se o meu currículo falasse…” iria para entrevista no seu lugar, não e mesmo?
  • Aproveite cada oportunidade para extrair o máximo de aprendizado, isso garantirá a médio e longo prazos, uma soma de experiências válidas, que em algum momento lhe assegurarão autoridade naquilo que faz;
  • Em um mercado onde todos lutam por um lugar ao sol, tenha o básico como diferencial competitivo: Simpatia, respeito, cordialidade, pontualidade, postura e princípios éticos são só algumas das várias qualidades “básicas” que o colocarão em destaque no mercado.

Certa vez uma profissional pontuou a necessidade de mudar uma determinada situação em sua vida profissional, tinha a certeza absoluta de que precisava muito dessa mudança, mas também, não conseguia definir o que queria exatamente, o que realmente gostava, o fato é que já não estava feliz no trabalho, mas também não sabia o que gostava de fazer. Nesse caso especificamente, não tive como não recordar uma mãe angustiada durante uma formação que eu conduzia na cidade de Curitiba, que queria saber como poderia utilizar o coaching para convencer o filho, que queria ser skatista, a cursar Direito. Na minha humilde concepção, esse é o princípio de muitos transtornos emocionais como depressão e ansiedade, durante a vida profissional, pois muitas pessoas escolhem a profissão para agradar os pais ou porque dá mais dinheiro, mas a longo prazo causam frustração, tristeza e desânimo levando muitas pessoas a sofrerem uma patologia clínica já considerada o mal do século no meio corporativo: O “burnout”. E só para constar, o coaching não tem como propósito induzir as pessoas a tomarem uma decisão, mas simplesmente apoiá-las em suas próprias escolhas.

Portanto, encontre algo que você goste de fazer e se dedique o máximo que puder, lembre-se que você pode perfeitamente inverter a ordem, primeiro fazendo o que dá dinheiro, mesmo que não goste, a princípio, mas pergunte-se: “Quando vou começar a viver?” Já pensou o drama de fazer as mesmas coisas todos os dias sem saber o seu real propósito? Então, abrir um negócio ou exercer um trabalho só pelo dinheiro é um passo para o fracasso e para a frustração pessoal. De qualquer forma, a ordem é: “Seja feliz com as suas escolhas!”.

E você sabe qual o seu propósito? Quer descobrir, desenvolver ou aprimorar? A Cia Brasileira de Coaching está com uma nova turma de líder coaching e autogestão no período de 23 e 24/04/2019 em Belém. Obtenha maiores informações através do nosso whatsapp (11) 99546 8145.

Gostou do tema? Tem alguma dúvida ou quer  que eu escreva sobre algum assunto em especial? Envie sua opinião para o whatsapp (011) 99546 8145 ou mande um e-mail para nelsonvieira@cibracoaching.com.br  você poderá fazer parte do nossa próxima edição.

Caixa de texto: Nelson Vieira, é Presidente e Master Coach Trainer da Cia. Brasileira de Coaching Certified Advanced Master Coach Sênior pela Graduate School of Master Coaches (EUA/UK/Austrália)
www.cibracoaching.com.br

O comunicador empreendedor

Por: Sergio Bialski

Quantas vezes você já viu e ouviu, na área de comunicação, pessoas se queixando da empresa em que trabalham e de seus gestores, ou mesmo se queixando do baixo salário que recebem e da falta de valorização de seu esforço e talento pessoal?

Leia mais…

O uso da criatividade e da inovação na comunicação

Por: Sergio Bialski

Ao longo dos mais de vinte anos de minha carreira como Gestor de Comunicação em grandes empresas, e dos dez anos como professor universitário, pude perceber um traço comum, tanto entre meus colegas de trabalho como entre meus alunos, que é a valorização da criatividade e da inovação como elementos essenciais para o sucesso.

Leia mais…
« Older posts

© 2019 Literare Books

Theme by Anders NorenUp ↑