As vantagens e desvantagens de contratar profissionais mais experientes

Você está realizando um processo seletivo e recebe dois profissionais com nível técnico e perfil comportamental bastante parecido. No entanto, um candidato possui 28 e outro 48 anos de idade, qual você contrataria? É provável que alguns respondam o candidato de 28 seguido de uma série de justificativas, enquanto outros responderiam o candidato de 48 e também teriam explicações para justificarem suas escolhas. E de fato essa dualidade representa uma resposta à pergunta título deste artigo: “DEPENDE”, pois cada caso é um caso. Não podemos nos valer de esteriótipos para defender um ponto de vista. É preciso encarar a questão sobre diversos aspectos.

Primeiramente, além da compatibilidade de perfil técnico e comportamental do candidato com o cargo/função preterido, uma importante análise para a decisão de contratar diz respeito à diversidade. E aqui, quando falamos em diversidade, não nos limitamos às questões raciais ou de gênero, já tão bem trabalhadas pelas organizações. Falamos exclusivamente da diversidade quanto à faixa etária dos colaboradores, que precisa ser tratada com a mesma relevância e respeito que as demais questões sociais.

Uma equipe multidisciplinar por exemplo, muito se beneficia com tal diversidade também na faixa etária. Entretanto, não podemos ignorar que há sim casos que faz mais sentido uma equipe com profissionais mais jovens, ou com profissionais mais velhos. O interessante nesse contexto é que algumas funções que tradicionalmente são exercidas por profissionais de uma determinada faixa etária, podem conquistar resultados impressionantes quando rompemos com paradigmas e formatamos equipes com uma faixa etária diferente.

Para facilitar então o entendimento de se vale ou não a pena contratar profissionais com mais de 40, vamos fazer um comparativo entre o comportamento típico das gerações, começando pela Baby Boomers, passando pela X e Y, e então dissertar sobres as vantagens e desvantagens de cada uma.

Baby Boomers – Nascidos entre 1940 a 1960 (estão hoje com idade entre 59 e 79 anos).

Essa geração se caracteriza principalmente pelo comportamento conservador, buscam estabilidade, foram criados sob a promessa de ter estabilidade econômica e melhores oportunidades o que aumenta sua disponibilidade pelo consumo.

Como vantagem esta geração possui, a fidelidade, iniciativa, equilíbrio emocional e alta capacidade de resolver problemas e conflitos.

Já como desvantagem, essa geração carece de facilidade para inovação o que faz com que acabem trabalhando mais e levando mais tempo para conseguir resultados.

Geração X – Nascidos entre 1960 e 1980 (estão hoje com idade entre 39 e 59 anos)

A principal característica da geração X é que eles foram os precursores do computador pessoal, da internet, do celular, da impressora, e do Email, etc. Trata-se de uma geração mais preocupada com as gerações futuras e que rompeu com paradigmas das gerações passadas.

O grande potencial dessa geração é a sua maturidade e escolha, e ainda com perfil resoluto, são profissionais que buscam maior liberdade e independência sem perder o espírito de grupo.

Por outro lado a geração X sofre muito com a insegurança em perder o emprego, até porque quando perdem, sofrem muito para se recolocar. Muitos cresceram com sonhos e descobriram na fase adulta que muito deles não passariam de sonhos.

Geração Y (W e Z) – Nascidos entre 1980 e 2000 (estão hoje com idade entre 19 e 39 anos)

A geração Y, também conhecida popularmente como Milênios, cresceu em uma época de avanços tecnológicos e prosperidade econômica. Muitas crianças dessa geração Y tiveram o que seus pais não tiveram, como telefones, TV, computadores pessoais, videogames, entre outros. A Geração Y possui algumas subdivisões como a geração Z (1992 a 2000) e há quem classifique a geração W (1990 a 2010) também como subdivisão da geração Y.

Para os profissionais da geração Y, é muito natural e simples serem flexíveis, inovadores, e profissionalmente ambiciosos, influência principalmente da globalização que se concretizou nessa geração. Os Milênios são extremamente conectados, buscam novas tecnologias, e lidam diariamente com grande fluxo de informações.

No entanto, apesar de serem multitarefas, é muito difícil para essa geração lidar com rotinas e atividades que exijam alta concentração. Além de não serem hábeis para lidar facilmente com conflitos e serem resolutos, pois pela abundância de recursos e opções, quando algo quebra, é normal pra eles trocar ou jogar fora ao invés de consertar, inclusive relações pessoais e profissionais.

Diante destas características, cada geração tem grande valor para diferentes funções dentro das organizações, assim como no DISC, ferramenta utilizada para o mapeamento comportamental, cada perfil é mais indicado para funções específicas dentro das empresas, o perfil das gerações pode ser utilizado também para compor uma equipe que apresente melhores resultados para as organizações. Tudo é uma questão de adaptação aos processos e configurações das equipes.

Por isso sim, é óbvio que vale a pena contratar profissionais com mais de 40, com mais de 50 e até mais de 60 anos, inclusive legalmente e financeiramente há vantagens, como questões ligadas ao FGTS e custos rescisórios. O importante é identificar onde cada geração é melhor aproveitada e considerar tais informações sobre o perfil de cada geração nos processos seletivos. Rompendo com paradigmas de que profissionais mais experientes são mais caros (o que não é verdade, pelos resultados que eles podem apresentar, pela própria experiência e por seus relacionamentos com o mercado, produzindo resultados maiores que as diferenças salariais que possam existir), ou rompendo com quaisquer outros paradigmas que limitem as empresas a optar por profissionais mais velhos, resta a oportunidade de criar equipes inteiras com profissionais mais velhos ou equipes multidisciplinares onde estes profissionais mais experientes podem inclusive atuar como mentores dos mais jovens. Enfim, vale a pena, pois os resultados se mostram vantajosos para ambos os lados, basta apenas que tais contratações sejam realizadas estrategicamente, e de preferência através de um projeto muito bem estruturado.