Sentir que fazemos parte de um cardume pode ser uma sensação muito estranha. Recentemente ouvi uma headhunter dizer que ela não trabalha com cardumes. Achei aquilo um horror e perguntei para ela se só trabalhava com cardumes de CEOs. Em um mundo que caminha para uma economia mais colaborativa, será que tem espaço para pessoas arrogantes?

  1. Queremos ser diferenciados – É muito engraçada como todos querem fazer parte de um grupo diferenciado, em qualquer setor na sociedade, observo mais de perto os grupos empresariais e religiosos. Com esta “diferenciação” acabamos esquecendo o que é fundamental, somos todos humanos. Podemos até dizer que somos todos cardumes, pode até haver cardume de salmão, cardume de atum e cardume de sardinhas, mas no final, não deixa de ser cardume.
  2. Fora da turma – O problema principal é quando a pessoa se julga tão especial e já não faz mais parte do mundo corporativo. A pessoa se perdeu de seu cardume, tenta se “enturmar” em um novo cardume, e não consegue, se sente perdida. Da uma sensação de vazio, não é fácil.
  3. Sem turma – Conheci, faz alguns anos, em um trabalho na Fundação Casa um professor que havia atuado em diferentes grupos do crime organizado. Ele disse que quando saiu do crime e quis voltar à sociedade ninguém o aceitou em um primeiro momento. Naquele instante ele não fazia parte de nenhum cardume. Segundo seu testemunho foi uma sensação horrível. O mais interessante é que ele escolheu ajudar os jovens que estavam em uma situação igual a dele, e aí sim posso dizer que somente ele que esteve do outro lado poderia ajudar alguém porque conhece o cardume. Aqui fica a questão da dificuldade de não ter a sensação de pertencimento em algum grupo.
  4. Sentir-se superior – A arrogância por sua vez é uma questão oposta à de não fazer parte de um grupo. É fazer parte de um grupo, mas sentir-se superior, ou por causa do grupo ou por causa da posição ocupada. A pergunta que coloco é como realizar um trabalho que seja diferenciado sem deixar que isto o afete? Será que é possível fazer algo sem sentir que você é aquilo que está fazendo? A mais difícil tarefa dos líderes, além de liderar é claro, é manter-se humilde em sua jornada diária.
  5. Faça um autoavaliação – Proponho que você pare para avaliar de quantos grupos faz parte, se este grupo sente-se superior aos outros, e se você dentro do grupo sente-se superior as demais pessoas. O que você pode fazer para ajustar-se em uma posição menos arrogante? Será que tem grupos ou trabalhos menos arrogantes que possam absorver o seu talento? Proponho esta reflexão porque sei que muitas pessoas sentem-se desconfortáveis em uma posição de destaque porque não conseguem lidar com o assédio moral de sua importância, mesmo sabendo que é relativa.

Muitas vezes, uma vida mais simples pode ser mais saudável do que uma vida com tanto glamour. Mas com certeza esta é uma opção muito pessoal. Lembre-se: somos cardume, independentemente do grupo.

Ingrid Schrijnemaekers

Consultora internacional de Gestão de Mudanças com foco em Planejamento, Cultura Organizacional e Valores. Brasileira/Holandesa, Administradora de Empresas pela PUC-SP, foi professora de Marketing do Mackenzie e de Gestão de Pessoas no MBA da FGV. Trabalhos realizados na Argentina, em Angola, nos EUA e Canadá.

→ Aproveite ao máximo o conteúdo deste artigo com nossas indicações de leitura

coach_alta_perform_capa3dmanual_intelig_ncias-_2__1