Em meus atendimentos como coach infantil e para pais, tenho percebido que a culpa tem sido um sentimento muito presente na relação entre pais e filhos. Como pais, costumamos ter expectativas muito altas, nos cobramos por perfeição, o que aumenta nossa sensação de falha. A culpa não nos faz progredir, ao contrário, quando nos mantemos na culpa entramos num looping de justificativas e preocupações que não nos levam para a ação. Quando somos capazes de compreender de forma clara o que precisa ser mudado, passamos a ser auto responsáveis. Procure buscar conexão ao invés de perfeição.

Um dos fatores que mais geram culpa nos pais atualmente é o fato de não terem o tempo que gostariam para orientar ou estar presentes na vida de seus filhos. Gastamos parte de nosso tempo disponível nos preocupando e quando não tomamos nenhuma ação a respeito, só faz crescer o sentimento de culpa. Que tal utilizar o tempo que você gasta ficando preocupado de forma mais produtiva? Já pensou quanta coisa é possível fazer com esse tempo?

Quando vivemos o presente, saboreando o momento ao invés de ficar revivendo o passado ou antecipando as preocupações com o futuro, conseguimos viver um estado de atenção plena. Este é o conceito de mindfulness, estar inteiro e presente no que quer que você esteja fazendo. Viva o presente, foque no tempo que você tem disponível com sua família e o use de maneira positiva, ao invés de sentir culpa quando estiver ausente.

Pai e mãe não precisam ser perfeitos, só precisam ser coerentes, ter consistência entre as palavras e as ações, ser o modelo do comportamento que desejam ver em seus filhos. Perceba suas emoções, você se identificou lendo este texto? Convido você a fazer uma auto reflexão de quais mudanças verdadeiras e profundas você deseja para a sua vida e para a vida de sua família daqui por diante.

Pesquisas já demonstraram que a qualidade de tempo que dedicamos aos nossos filhos é mais importante do que a quantidade de tempo disponível. Na maior parte dos casos não é necessário arrumar um tempo adicional, basta utilizar as interações na própria rotina compartilhada diariamente. Aproveitar o tempo na hora do preparo das refeições, no trajeto para um compromisso, para a escola, na hora de fazer compras, no momento de colocar para dormir. Procure fazer atividades com os seus filhos e não fazer por eles.

Todos os dias fazemos escolhas que influem a qualidade e a quantidade de tempo e atenção que dedicamos aos nossos filhos. Procure criar experiências significativas e construir laços emocionais entre vocês, pois será este elo que trará uma maior proximidade e que os ligará emocionalmente. Certamente não conseguiremos estar integralmente com nossos filhos, mas podemos criar momentos em que estamos com a atenção totalmente focada neles.

Seja gentil com você mesmo, olhe com compaixão e profunda gratidão por tudo que já viveu até aqui e permita-se promover mudanças que possibilitem que você viva momentos de muito amor com seus filhos e pergunte-se: “O que eu posso fazer para melhorar?