Você gosta ou gostava de montar quebra-cabeças?

Já notou que para cada indicação de faixa etária um desafio específico é proposto? Em número de peças, tipo de imagem, cores e tamanhos definidos?

Percebeu que para as crianças, iniciantes no processo de montar quebra –cabeças, as peças são grandes e geralmente poucas, iniciando por 4 peças, com cores primárias e imagens concretas e conhecidas? E conforme vamos crescendo as peças ficam menores, em maior quantidade, com mais cores e imagens diversas incluindo as abstratas?

E o que há em comum independente do desafio determinado para cada faixa etária?

Normalmente quem compra um quebra-cabeça o escolhe diante de alguns pré-requisitos, podem ser: faixa etária, número de peças entre tantos outros. Ao final o que define a escolha é o resultado, a imagem final, prefiro obter a imagem de uma cidade ou floresta? Um animal ou um carro?

Portanto, o que há em comum entre os quebra-cabeças independente da faixa etária é que sempre temos uma imagem final, sempre temos um resultado final esperado. E é por aí que iniciamos, pelo que iremos obter no final do processo de montagem, o objetivo.

E quando temos aquele quebra-cabeça em que as peças estão guardadas em um saco plástico porque perdemos a caixa com a imagem final? Já repararam como a construção deste quebra-cabeça é mais vagaroso, mais desafiador e ao mesmo tempo não muito motivador? Afinal, nem sabemos o que teremos como resultado, propiciando desta forma uma certa facilidade em desistirmos da construção.

Assim como no coaching, iniciamos definindo o resultado final esperado, o objetivo a ser atingido. Criando a imagem a ser alcançada ao final do processo. E como no quebra-cabeça, após definida a imagem a ser alcançada precisamos planejar a construção deste processo, por onde começar.

O primeiro passo é tirar as peças da caixa, algumas vezes estamos prontos, compramos e logo queremos chegar em casa e colocar tudo à mesa. Outras vezes, compramos o quebra-cabeça e o deixamos lá, para um dia… quem sabe! E outras ainda, ganhamos o quebra-cabeça.

E, olhando para a imagem na caixa, começamos a criar nossa estratégia. Onde montar, quando montar, com quem, como e por quê.

Chegando o momento para a execução, colocamos então as peças no local definido por nós e neste momento uma sensação de confusão nos invade, são tantas peças, de tantas cores e formatos. Tantos pensamentos surgem! Euforia, medo, ansiedade, alegria…

Com a estratégia definida partimos para a montagem do quebra-cabeça, pegamos a primeira peça, a posicionamos em um determinado espaço físico, então pegamos a segunda peça e testamos. Testamos se a segunda peça se encaixa nesta primeira e assim por diante. Algumas peças se encaixam outras não. Algumas peças identificamos facilmente onde se encaixam no todo, outras não.

Pode ser que em algum momento seja necessário fazer uma pausa, olhar de longe, por outro ângulo ou mesmo deixar para o dia seguinte porque naquele momento não achamos a peça que falta, a solução. Outras vezes precisamos inclusive pedir a ajuda de uma terceira pessoa, que muitas vezes rapidamente encontra a peça em questão, bem como às vezes também não a encontra ou sugere alguma peça que não se encaixa. E ainda assim é preciso manter o foco e em mente a imagem final.

Alguns começam a montagem pelas pontas, porque são as peças com os lados retos e portanto consideram mais fáceis, outros preferem iniciar pelo meio por entenderem que é mais fácil fazer a expansão partindo do meio. Tem aqueles que preferem agrupar as peças por cores entre tantas outras possibilidades. E todos estão corretos, todos os caminhos chegarão ao resultado final.

Após definir a imagem final, planejar a estratégia, testar e manter o foco temos o resultado final esperado! E neste momento obtemos o sucesso!

Alguma semelhança com o nosso dia a dia?

Quantas peças têm o quebra-cabeça que você está montando atualmente?

Qual o tamanho das peças do seu quebra-cabeça?

Qual imagem você obterá ao montar o seu quebra-cabeça?

A imagem ao final foi escolhida por quem? Por você ou por terceiros?

Onde estão as peças de seu quebra-cabeça? Guardadas na caixa ou à mesa?

Por que obter esta imagem ao final é importante para você?

Qual sua estratégia?

Onde está montando seu quebra-cabeça? O local está adequado a proposta final?

Com quem está montando o seu quebra-cabeça?

Quando espera obter a imagem final?

Quando está trabalhando na montagem do seu quebra-cabeça? O tempo que se dedica a ele é o suficiente para que o resultado final esteja pronto quando espera?

Se você tiver interesse em criar a imagem do seu quebra-cabeça ou planejar como construí-lo e obter sucesso ao final entre em contato!

Tathiana M. Neder

Coach Executiva e de Carreira

tathi.ana@uol.com.br

http://tathianamneder.wixsite.com/tathianamneder

Aproveite ao máximo o conteúdo deste artigo com nossas sugestões de leitura!