Talvez você já tenha ouvido falar ou até mesmo tenha um local em sua residência no qual guarda aqueles objetos que não pretende utilizar mais com tanta frequência e que ao mesmo tempo não quer se desfazer deles.

Aquele local no qual guardamos os materiais que sobram da obra da residência, para caso um dia precise ser utilizado novamente numa reforma futura. Onde guardamos também aqueles objetos que temos um apreço sentimental e queremos guardar em um local seguro para não ficarem expostos a possíveis acidentes ou que guardamos pelo fato de não mais combinar com a decoração da casa no momento, mas que o valor sentimental permanece impedindo que seja doado ou descartado.  Chamarei este lugar carinhosamente de “o quarto secreto”.

Incrivelmente este espaço parece ser ilimitado, mas cabe tanta coisa!

E conforme vamos colocando nossos objetos neste espaço, vamos empilhando, empurrando, espremendo um coisa contra a outra.

Até que o dia da reforma futura se encontra com o presente. E algumas vezes esta reforma é necessária a “pedido” do próprio meio ambiente, a pintura das paredes está desgastada demais, as gavetas dos armários caindo e por mais que relutemos em fazer a reforma mais dia, menos dia, teremos que fazê-la, pois a cada dia que adiamos as coisas ficam mais desgastadas e a cada dia um item novo se quebra.

Outras vezes a reforma inicia-se  através de uma demanda interna, aquela residência na qual mora não mais te representa, aquela cor na parede não mais te atrai, aqueles objetos na estante não dizem mais aquilo que se propunham quando os comprou.

E então temos duas opções: ignorar o fato de que há muitos materiais naquele “quarto secreto” e comprar novos ou revisitar “o quarto secreto” e desvendar seus mistérios  analisado o que tem lá dentro: o que pode ou não ser utilizado naquele momento ou até mesmo o que já pode ser descartado.

Sem dúvidas a primeira opção é a mais fácil e rápida, basta ir à loja, pedir ao vendedor os materiais necessários, pagar e, “voilá”, levar os materiais para a obra. Requer apenas condições financeiras e tempo de deslocamento. E ao final da obra, os materiais que sobrarem podem ser colocados no quarto com os demais.

Por sua vez, aqueles que optam pela segunda opção, muitas vezes ao chegar na porta do “quarto secreto” notam que mal conseguem abri-la, pois está emperrada devido ao tempo e, também, por tantas coisas naquele quarto, o que torna a abertura da porta ainda mais difícil. Ao acessar o quarto percebem que há tantos objetos nele que nem se lembravam ao certo o que de fato haviam guardado nele.

Conforme começam a retirar objeto por objeto percebem o quanto estes objetos, tão cuidadosamente guardados, estão sujos, desatualizados, alguns até mesmo deteriorados pelo tempo, quebrados… Outros continuam lindos e intactos, apesar de estarem com pó, e podem serem reaproveitados, bastando apenas uma limpeza, um pequeno ajuste.

Às vezes, acessar este “quarto secreto” pode ser desafiador, dolorido, cansativo, mas pode ser também libertador. Poderá trazer a tona grandes conquistas, a possibilidade de reviver sentimentos bons, além de tomar consciência sobre todos os objetos, ferramentas que possuímos e então tomar alguma decisão decisão: tirar o pó daquele objeto e colocá-lo em uso novamente, doá-lo, jogá-lo, fazer um pequeno reparo, atualizá-lo… Enfim, escolher o que fazer com aquilo que possuímos diante de nosso objetivo, a reforma da residência. Esta escolha requer coragem e responsabilidade, mas sem dúvidas será libertador!

  • E o seu “quarto secreto” como está?
    • Conhece a si mesmo?
    • Quais são seus sonhos?
    • Quais são seus objetivos? Curto, médio e longo prazo.
    • Qual sua missão de vida?
    • Sente-se realizado?
    • Sente-se feliz?
  • Há quanto tempo você não acessa o seu “quarto secreto”?
  • O que há nele? Sentimentos, pessoas, experiências, cursos, formações, ferramentas?
  • Quantas reformas já realizou?
  • Suas reformas costumam ser realizadas somente por você ou busca auxílio em diversas áreas?
    • Psicologia
    • Coaching
    • Terapeutas holísticos
    • Religião
    • Entre outros.
  • As reformas foram iniciadas por demandas internas ou externas?
    • Você mesmo sentiu este necessidade ou ela surgiu por um feedback externo: familiares, amigos ou gestores?
  • Qual caminho você opta? O mais rápido e fácil ou aquele que irá te transformar e te desenvolver?
  • Você tem consciência de todas as ferramentas e habilidades que possui?
  • Possui consciência do que é capaz?

O Coaching é um processo através do qual você tem a oportunidade de acessar o seu “quarto secreto” em um ambiente seguro e em parceria, através do qual você  pode se conscientizar e desbloquear ou atualizar aqueles comportamentos que estavam guardados, e até mesmo descobrir novas possibilidades para atingir seu objetivo atual.

Entre em contato!

Tathiana M. Neder

Executive & Career Coach

tathi.ana@uol.com.br

http://tathianamneder.wixsite.com/tathianamneder

 

Aproveite ao máximo o conteúdo deste artigo com nossas sugestões de leitura!