Olhando para o seu potencial e para os resultados que vem tendo na sua vida, você acha que o seu resultado está compatível com o seu potencial?

Se o resultado estiver compatível, é provável  que você esteja fazendo aquilo que ama fazer. Mas se o seu resultado está ruim, lembre-se de acessar o seu potencial, pois ele tem muito a ver com gostar ou aprender a gostar do que fazemos.

Penso que em todas as áreas da vida, quando nós gostamos de uma coisa, fazemos tudo para melhorar sempre naquilo, mas quando não gostamos fazemos o estritamente necessário.

Muitas vezes é preciso um esforço grande para melhorarmos naquilo que não somos tão bons, é como se carregássemos um fardo. Isso acontece quando deixamos de lado nosso potencial e focamos somente no problema, quando deveríamos focar na solução do problema.

A certeza de que tudo pode dar certo virá da nossa grande transformação, ao impedirmos que energias externas sobressaiam, que aliemos os nossos sintomas ao nosso centramento e nos conscientizarmos de que temos todos os recursos para realizarmos o que quisermos e cumprir, assim, a grande jornada da vida.

Um exercício simples e que serve para medirmos nossa capacidade de ir além da nossa própria expectativa é esse: ficando de pé e levantando os dois braços na forma de um “V”, alcançamos uma determinada altura com a ponta dos dedos. Mas, se recebermos uma ordem para forçarmos e ir além, com certeza conseguiremos ir mais acima com os braços.

O potencial para ir além nós já tínhamos. Então, porque só fomos mais alto quando forçamos mais da segunda vez? Simplesmente porque mudamos a nossa programação mental.

Nós não temos a menor noção do quanto temos de potencial e, se não estivermos atentos, constantemente nos esquecemos dele.

A diferença entre aqueles que têm êxito e aqueles que falham em alcançar uma meta de mudança reside apenas em três elementos essenciais para criar o que Antony  Robbins  chama de “breakthrough” (algo como ruptura).

É dele a teoria dos 3S:  STATE – STORY – STRATEGIC

  1. State = Estado
  2. Story = História
  3. Strategic = Estratégia
  1. STATE –  Em que eu vou focar – qual é o meu foco? Qual é o meu ESTADO?
  2. STORY – Qual é o significado que eu dou para o evento – o que isso significa? Que HISTÓRIA é essa?
  3. STRATEGIC – O que é que eu vou fazer a respeito – que ESTRATÉGIA eu vou usar?

Com essas colocações, temos que estar conscientes de que o nosso estado é a coisa mais importante que temos que proteger, porque quem não proteger o seu estado emocional, estará “ferrado”!

Vejam isso: se eu estiver num “estado péssimo”, o meu diálogo interno será negativo e não vou saber usar as minhas estratégias positivas, aí começo a duvidar de mim mesma, tenho uma execução péssima, um resultado péssimo, começo a conversar com meu estado crítico péssimo e começo a achar que eu sou realmente péssima.

Daí a importância de protegermos o nosso estado emocional.

Mas se nós mudarmos a história, mudamos a estratégia

Opa! Mudou a história, muda a estratégia.

Nós temos que estar constantemente focados nesse estado de certeza que tem que estar dentro de nós, porque aí ninguém nos tira a confiança, a alegria, a paixão, o entusiasmo.

É com as estratégias que nós vamos vencer todos os desafios. Um bom exemplo é quando estamos dirigindo um carro e de repente alguém nos dá uma “fechada”. É em fração de segundos que organizamos a mente para lidar com esse evento:

  • ESTADO: Que sensação isso nos provoca?  
  • HISTÓRIA: Qual é o principal evento nessa situação?
  • ESTRATÉGIA: Qual será a nossa reação? Que estratégia vamos usar?

A nossa “atitude” deverá ser a de construir o “estado” que vai nos permitir usar as “estratégias”.

A programação que todos nós precisamos para acessar mais o nosso eu potencial está nessas três chaves:

  • O “estado” certo;
  • A “história” certa;
  • As “estratégias” certas.

Tudo o que nós precisamos encontrar já está dentro de nós e o que nós precisamos é nos reconhecer.

RE + CONHECER significa que “eu” preciso estar presente em mim, onde estou, observar, olhar os outros, estar atento e compreender os padrões ordenadores da vida, que nos induzem ao grau máximo de felicidade e de respeito.

Cabe então a pergunta: O “estado” que você está, lhe empodera ou lhe limita?

Faça alguns exercícios para melhorar o seu “estado” instantaneamente:

  • Se uma pessoa ficar dois minutos na posição de vencedor, (fazendo um V com os braços) o seu nível de testosterona sobe e o de cortizol desce – isso empodera o “estado”.
  • Se uma pessoa está num “estado” mal e abre um sorriso – mesmo que o sorriso seja forjado – isso muda o “estado”.
  • Se uma pessoa em situação de estresse ou de ansiedade pensar em um momento passado em que ela foi bem, deu o seu melhor, estava em paz, estava tranqüila, isso melhora o “estado” atual.

Resumindo, quando fazemos só o que temos que fazer, o nosso resultado poderá ser bom, mas se fizermos o que amamos, o nosso resultado será extraordinário! Mas nós podemos escrever sempre uma bela história, usando todo o potencial de que dispomos e fazendo o melhor em qualquer circunstância.

Fátima Cristo

Aproveite ao máximo o conteúdo deste artigo com nossas sugestões de leitura!