Falar de improviso, ao contrário do que algumas pessoas imaginam, não significa falar sem conhecer o assunto. Se uma pessoa se atreve a falar em público sem ter informações sobre o tema que irá transmitir, o adjetivo mais benevolente que poderíamos lhe atribuir é o de irresponsável.

Falar de improviso significa falar sem ter preparado de forma conveniente a apresentação.

Quando tiver de falar de improviso aborde antes um assunto de seu domínio. Antes de desenvolver o tema que é a matéria central da sua apresentação, fale a respeito de um assunto que conheça com bastante profundidade e que tenha alguma ligação direta ou indireta com o conteúdo que deverá transmitir.

Esse assunto de apoio, que você domina, poderá ser uma notícia que esteja acompanhando com interesse, fatos que tenha presenciado, cenas dos filmes que foram marcantes, passagens de livros que tiveram significado especial, viagens que realizou, desafios que enfrentou, conquistas que experimentou, temas relacionados à sua atividade profissional ou ao seu passatempo preferido. Enfim, qualquer assunto sobre o qual possa falar com segurança e tranquilidade.

Depois de discorrer algum tempo sobre esse assunto de apoio, você deverá encontrar uma maneira de fazer a transição para o assunto principal.

É natural que ao falar você saiba quais as etapas que cumpre na apresentação. Entretanto, os ouvintes receberão a mensagem como sendo uma só, desde o princípio até o final. Ora, como você fala com desembaraço e desenvoltura ao abordar o assunto de apoio, pois é uma matéria de seu domínio, o ouvinte, recebendo a mensagem como sendo uma só desde o início até a conclusão, terá a impressão de que o seu domínio é da informação toda. Na verdade, você conhece bem o assunto de apoio, e talvez apenas superficialmente o tema principal.

Resumindo: fale antes sobre o assunto que você conhece bastante e depois ligue com o tema que talvez não conheça tanto, e que é o objetivo da sua exposição.

Tenha em mente ainda que o assunto de apoio deverá servir para que os ouvintes o vejam como alguém que conhece bem o tema da apresentação e também para auxiliá-lo a organizar de forma mais criteriosa e correta a sequência da fala.

Observe o desempenho dos grandes oradores. Note que a maioria deles se vale de assuntos que conhece muito bem para preparar de maneira mais apropriada suas apresentações e torná-las ainda mais interessantes.

Além dos assuntos de seu conhecimento que você poderá lançar mão como recurso para as falas de improviso, será possível contar também com os fatos que tenha observado pouco antes do momento da sua apresentação.

Por exemplo, você poderá iniciar citando uma notícia que tenha ouvido há pouco durante o trajeto em uma emissora de rádio, ou um fato curioso que tenha lido no jornal pela manhã, ou ainda um diálogo que manteve com alguns ouvintes pouco antes da apresentação.

Esses assuntos atuais darão a você mais confiança, por serem recentes. E por causa dessa atualidade, provavelmente, serão ainda mais estimulantes para os ouvintes.

Reinaldo Polito

Mestre em Ciências da Comunicação, professor de oratória, palestrante e escritor. É professor de comunicação oral no curso de pós-graduação de Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas, da ECA-USP. Publicou 25 livros com mais de um milhão de exemplares vendidos em todo o mundo. Seis de suas obras entraram para as listas dos livros mais vendidos do país. Seu site www.polito.com.br